Notícias

Adolescentes de 14 anos recebem a segunda dose da vacina contra a Covid-19 nesta segunda-feira


Expectativa da Prefeitura é aplicar a segunda dose em todas as pessoas acima de 12 anos até o final desta semana. Adolescente recebendo dose da vacina contra a Covid-19 em Belo Horizonte Flávia Cristini / TV Globo Os cerca de 35 mil adolescentes de 14 anos residentes da capital mineira começam a receber hoje (29) a segunda dose da vacina contra a Covid-19. Confira os locais de vacinação Para receber a dose, é necessário que os adolescentes tenham recebido a primeira há pelo menos 21 dias - novo prazo estipulado pela Prefeitura de BH, conforme orientação da Secretaria de Estado de Saúde. Os adolescentes de 14 anos precisam estar acompanhados dos pais no momento da imunização. Todos os públicos da vacinação do dia devem levar cartão de vacina, carteira de identidade e CPF. Os profissionais contemplados também precisam comprovar, por meio de documentos, atividade em estabelecimentos de saúde da capital. O calendário desta semana prevê vacinação dos adolescentes de 12 a 14 anos, bem como o reforço para idosos acima de 63 e uma repescagem. No caso da dose de reforço, os idosos e profissionais da saúde precisam de um intervalo de cinco meses desde a segunda dose. Confira o cronograma para os próximos dias: Dia 29/11, segunda-feira: segunda dose para jovens de 14 anos, cuja data no cartão tenha completado pelo menos 21 dias da primeira dose. É necessário levar o cartão de vacina, o documento de identidade e CPF. Para se imunizar, os adolescentes dessa faixa etária precisam estar acompanhados dos pais ou responsáveis legais; Dia 30/11, terça-feira: segunda dose para jovens de 13 anos, cuja data no cartão tenha completado pelo menos 21 dias da primeira dose. É necessário levar o cartão de vacina, o documento de identidade e CPF. Para se imunizar, os adolescentes dessa faixa etária precisam estar acompanhados dos pais ou responsáveis legais; Dia 1/12, quarta-feira: segunda dose para adolescentes de 12 anos, cuja data no cartão tenha completado pelo menos 21 dias da primeira dose. É necessário levar o cartão de vacina, o documento de identidade e CPF. Para se imunizar, os adolescentes dessas faixas etárias precisam estar acompanhados dos pais ou responsáveis legais; Dia 2/12, quinta-feira: repescagem para grupos e faixas etárias que foram vacinados com Pfizer e ainda precisam receber este imunizante, seja com a aplicação de primeiras e segundas doses, doses de reforço ou adicional; Dia 3/12, sexta-feira: dose de reforço para idosos de 63 anos, cuja data da segunda dose tenha completado 5 meses. É necessário levar o cartão de vacina, o documento de identidade, CPF e comprovante de residência em Belo Horizonte. Vídeos mais vistos g1 MG

Após 1 ano e 8 meses, aulas presenciais seguem suspensas em 93 municípios de Minas Gerais


Secretaria de Estado de Educação (SEE-MG) mantém tratativas com as prefeituras para que atividades sejam retomadas ainda neste ano. Sala de aula de escola estadual de Minas Gerais Gil Leonardi/Imprensa MG Mesmo com a autorização do governo de Minas Gerais para a retomada das aulas presenciais em todas as regiões, 93 dos 853 municípios mineiros seguem em atividades remotas. Somente na rede estadual, são cerca de 114 mil estudantes nesta situação há quase dois anos, segundo dados da Secretaria de Estado de Educação (SEE-MG). O retorno às aulas presenciais na rede estadual começou em junho, após liberação do Tribunal de Justiça de Minas Gerais. No início deste mês, a presença dos alunos na sala de aula passou a ser obrigatória, exceto para os que fazem parte de grupos de risco da Covid-19. Retorno às aulas presenciais passa a ser obrigatório na rede estadual de MG No entanto, 93 municípios mantêm decretos que impedem o retorno (veja a lista abaixo). Nestes casos, os alunos seguem em atividades remotas, o que preocupa a SEE-MG. "A gente sabe que todo o esforço foi feito para as melhores estratégias de ensino remoto, mas nada substitui a interação entre professor e aluno. Estamos em um momento bastante importante para que o vínculo seja restabelecido, para que estudantes retomem sua rotina escolar e possam ter uma progressão importante de aprendizagem para voltarem mais aptos em 2022", afirmou a secretária adjunta de Educação, Geniana Guimarães Faria. Segundo Geniana, a proibição das aulas presenciais também impede que os alunos tenham acesso ao reforço escolar, disponibilizado pela SEE-MG a cerca de 90 mil alunos atualmente, em formato presencial. "Neste momento de contato com o professor, os estudantes estão conseguindo adquirir habilidades que são importantes para passar para o ano seguinte. Os que não estão tendo essa oportunidade ficam mais prejudicados", disse a secretária. De acordo com ela, as escolas foram adequadas e estão preparadas para garantir o cumprimento dos protocolos de prevenção da Covid-19. Apenas em Januária, no Norte de Minas, há duas instituições que ainda estão em obras. Veja o protocolo sanitário atualizado de retorno às atividades escolares presenciais em MG Para a secretária, a situação epidemiológica não é mais empecilho para a reabertura das escolas, já que todo o estado está na onda verde do Minas Consciente e a vacinação tem avançado. "A gente percebe que, muitas vezes, o município não conseguiu se adequar e acaba impedindo todas as redes. Infelizmente, muitos municípios não prepararam suas escolas municipais ou não fizeram licitação de transporte escolar", falou. Segundo Geniana, o estado tem feito reuniões e buscado soluções em conjunto com os municípios que ainda não liberaram a volta dos alunos às escolas, na expectativa de que a retomada aconteça ainda em 2021 – o ano letivo será finalizado em 17 de dezembro. "Qualquer dia presencial já faz muita diferença. A oportunidade de estar na escola, de se sentir de novo pertencente àquele lugar, estabelecer vínculo com professor e colegas e de tirar dúvidas presencialmente faz muita diferença", disse. Por outro lado, o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE) critica a presença obrigatória dos alunos nas escolas. Para a entidade, apesar da melhora dos indicadores, os riscos de contrair a Covid-19 ainda são grandes, principalmente em ambientes fechados. "Não tem sentido depois de um ano e meio, no ultimo mês do ano letivo, obrigar as famílias a enviar estudantes às escolas. Os casos estão aí. Poderíamos manter como opcional para as famílias neste ano, aguardar o ano que vem e fazer uma avaliação para ver qual procedimento adotar", diz o diretor estadual do Sind-UTE, Paulo Henrique Santos Fonseca Veja a lista dos municípios que mantêm decretos impedindo o retorno das aulas presenciais: Jampruca Diogo de Vasconcelos Pequeri Piedade dos Gerais Simão Pereira Areado Cabo Verde Grão Mogol Amparo do Serra Antônio Carlos Baependi Belmiro Braga Bocaina de Minas Bom Jardim de Minas Bom Sucesso Botumirim Cambuquira Campanário Campanha Campo Azul Capitão Enéas Carrancas Chiador Conceição da Barra de Minas Cônego Marinho Cristália Cuparaque Descoberto Divisa Nova Estrela Dalva Frei Gaspar Guaraciama Ibiaí Ibiracatu Icaraí de Minas Ijaci Itacambira Itacarambi Itambacuri Itutinga Jaíba Januária Japonvar Jequeri Jordânia Josenópolis Juvenília Lambari Lima Duarte Lontra Luislândia Manga Mar de Espanha Matipó Miravânia Montalvânia Nova Belém Nova Módica Olhos d'Água Orizânia Padre Carvalho Pai Pedro Pedras de Maria da Cruz Pescador Piedade de Ponte Nova Ponto Chique Porteirinha Riacho dos Machados Rio Novo Santa Bárbara do Tugúrio Santa Fé de Minas Santa Helena de Minas Santa Maria do Salto Santa Rita de Ibitipoca Santa Rita de Jacutinga Santana do Deserto Santana do Garambéu Santo Antônio do Aventureiro Santo Antônio do Itambé Santo Antônio do Jacinto São Francisco São Geraldo do Baixio São João das Missões São João do Pacuí São Romão Serra Azul de Minas Serranópolis de Minas Sobrália Três Corações Ubaí Umburatiba Varzelândia Volta Grande Aulas suspensas por causa da Covid-19 O protocolo sanitário do governo do estado prevê a suspensão das atividades escolares presenciais por 14 dias quando há mais de um caso suspeito e com diagnóstico confirmado de Covid-19 em uma mesma turma, turno ou escola. Das 3.500 instituições de ensino estaduais de Minas Gerais, 74 estavam com as aulas temporariamente suspensas em razão de casos de coronavírus na última semana. O número representa 2% do total. Vídeos mais vistos no g1 Minas:

Balcão do BDMG: veja as vagas de emprego e estágio


Confira as oportunidades listadas pelo Bom Dia Minas nesta segunda-feira (29). Confira as oportunidades do Balcão do BDMG Arte/TV Globo 1 – Fhemig Estão abertas as inscrições para preencher 50 vagas em unidades da Rede Fhemig, em BH e no interior. Na capital, as vagas são para médicos que vão atuar no Centro Mineiro de Toxicomania e no Complexo Hospitalar de Urgência: hospitais João XXIII, Infantil João Paulo II e Maria Amélia Lins. O Hospital Regional Antônio Dias, em Patos de Minas, está com dois processos seletivos abertos também para médicos. O prazo para se inscrever neste processo seletivo termina no dia 6 de dezembro e o edital está disponível no link. 2 – Loft Para quem trabalha em áreas como marketing, ciência de dados, produto e engenharia de software, a Loft, startup de compra e venda de imóveis, está com cerca de 100 oportunidades abertas. Os interessados podem participar da seleção para trabalhar de forma remota ou presencial. No caso, só tem trabalho presencial em São Paulo. Em relação ao home office, pessoas de todo o Brasil, inclusive Minas, podem participar. As informações sobre pré-requisitos, escopo das funções e como se candidatar estão no site. Os benefícios para os funcionários incluem vale-alimentação/refeição, vale-transporte, auxílio home office, auxílio-creche, auxílio-educação e Gympass. 3 - CIEE Tem oportunidade de estágio também. O Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) está com 89 vagas de estágio em Belo Horizonte e Região Metropolitana: 63 para estudantes de educação superior e 26 para de cursos técnicos e ensino médio. São vagas nas áreas de administração, logística, gestão comercial, entre outras. Em Minas são 397 vagas em aberto. Os estudantes interessados devem fazer o cadastro no site do CIEE e enviar nome completo, curso e período para vagas@cieemg.org.br. 4 – Senac O Senac está com 230 vagas em cursos gratuitos oferecidos pelas unidades de Contagem e de Venda Nova, em BH. São 100 vagas para estudar e-commerce: vendendo no comércio eletrônico. E 130 para os cursos de comprador e assistente administrativo. As aulas são on-line. Mais informações e a oferta completa de todos os cursos no estado podem ser conferidas no site do Senac. 5 – Delp Estão abertas, a partir desta segunda-feira (29, as inscrições no processo seletivo para um curso gratuito de qualificação para 20 soldadores. A iniciativa é da empresa Delp Engenharia Mecânica em parceria com o Senai de Vespasiano. Os melhores alunos serão contratados. Além das vagas para o curso de soldador, tem 59 oportunidades de emprego abertas para contratação imediata. 6 – Sine BH Quem está procurando emprego pode ficar de olho nas vagas do Sine de Belo Horizonte. 554 vagas estão abertas, à espera de candidatos. 39 são para pessoas com deficiência. Entre as oportunidades, 100 vagas para operador de telemarketing, 41 para vendedor pracista e 34 para auxiliar de escritório. Os vídeos mais vistos no g1 Minas:

Participante do Enem é detido na Grande BH com ponto eletrônico durante a aplicação da prova


O suspeito iria repassar as respostas da prova de matemática a outro participante do exame que mora em Alagoas Caso aconteceu em um colégio localizado em Contagem, na Grande BH Reprodução/Google Street View Um jovem de 18 anos foi detido neste domingo (28) em Contagem, na Grande BH, após ser flagrado com um ponto eletrônico durante a realização das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). De acordo com a Polícia Militar, ele iria repassar as respostas da prova de matemática a outro participante do exame que mora em Alagoas. Segundo a PM, o caso aconteceu dentro do Colégio Tiradentes, que é da Polícia Militar, no bairro Santa Maria. O suspeito foi ao banheiro e, como é de praxe durante a aplicação da prova, foi revistado na porta com detector de metal, que acusou a presença de um material eletrônico próximo à perna direita. De acordo com o fiscal que fez a vistoria, o jovem levantou a calça, mas o detector seguia acusando a presença de algo. O estudante então levantou a calça novamente e foi possível ver um celular preso à cintura com fita adesiva. Nesse momento, uma outra integrante da equipe de fiscalização da prova conduziu o rapaz até a sala de coordenação. Os agentes da PM foram chamados e identificaram que, além do celular, o suspeito também estava com microfone com fio e pontos de escuta, que foram retirados do corpo dele. Aos agentes, o rapaz explicou que há cerca de um mês um homem identificado apenas como Lucas, que mora em Alagoas, o procurou pelas redes sociais. Ele recebeu a proposta de repassar as respostas da prova de matemática para o Lucas, que ofereceu R$ 5 mil caso a tentativa de fraudar a prova desse certo. O suspeito também disse que os equipamentos para a transmissão das informações chegaram pelos Correios. Ele afirma que já tinha conseguido passar a resposta de cerca de cinco perguntas da prova pelo ponto, e no no fim de semana do primeiro dia de prova ele não fez uso do equipamento. Diante das informações, a coordenadora do local de prova informou a situação à coordenação do Enem em Minas Gerais, que autorizou a apreensão da prova, da folha de rascunho e do caderno de resposta. O material e o suspeito foram encaminhados para a Polícia Federal em Belo Horizonte. O g1 entrou em contato com a Polícia Federal e com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e aguarda um retorno. Veja os vídeos mais assistidos do g1 Minas:

Ônibus com torcedores do Atlético-MG é alvo de emboscada e pelo menos 11 pessoas ficam feridas


De acordo com a PM, torcedores da Mancha Azul atacaram o coletivo após o jogo do Atlético. As vítimas foram socorridas Ônibus ficou destruído após emboscada protagonizada por torcedores do Cruzeiro Magno Dantas/TV Globo Pelo menos 11 pessoas ficaram feridas depois que um grupo de torcedores do Cruzeiro jogou coquetel molotov em um ônibus Move, da linha 6350, neste domingo (28). De acordo com informações da PM, no coletivo havia torcedores do Atlético-MG que haviam acompanhado a partida contra o Fluminense. De acordo com o tenente Marcelo Rocha, após a partida cerca de 30 pessoas da torcida organizada Mancha Azul fizeram uma emboscada quando o coletivo, que estava com cerca de 45 passageiros, estava na Região do Barreiro, em Belo Horizonte. O ônibus parou e, na sequência, eles depredaram o veículo e jogaram coquetel molotov. O ônibus ficou destruído, com os vidros quebrados. Ônibus com atleticanos é alvo de emboscada por torcedores Cruzeirenses em BH Um princípio de incêndio chegou a ser registrado e pelo menos sete pessoas se feriram. Três delas foram socorridas pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Belo Horizonte. Um homem de 37 anos foi encaminhado para um hospital particular, e outros dois, de 33 e de 25 anos, foram encaminhados para o Hospital João XXIII. As outras foram encaminhadas pela PM para a UPA Barreiro. A prefeitura não divulgou o estado de saúde das vítimas. Os passageiros disseram que os autores utilizaram veículos para cercar o ônibus. Os policiais conseguiram localizar um dos automóveis e prendeu seis pessoas. Com elas, os agentes encontraram soco inglês, porrete e artefato explosivo caseiro. Um dos autores estava ferido e também foi encaminhado à UPA Barreiro. Veja os vídeos mais assistidos do g1 Minas:

Estudantes do Sul de MG falam sobre dificuldades de estudo na pandemia e expectativas após 2º dia de provas do Enem 2021


O segundo dia de provas teve 90 questões de ciências da natureza e matemática. A prova deste domingo trouxe questões sobre o desastre de Mariana (MG), Copa do Brasil e literatura de cordel. Estudantes do Sul de MG falam sobre dificuldades de estudo na pandemia e expectativas após 2º dia de provas do Enem 2021 Beatriz Mendes Estudantes de todo país foram às escolas e universidades neste domingo (28) para o último dia das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2021. Os portões abriram às 12h e o g1 Sul de Minas acompanhou a movimento dos locais de prova nas três maiores cidades da região. Confira a cobertura. O segundo dia de provas teve 90 questões de ciências da natureza e matemática. A prova deste domingo trouxe questões sobre o desastre de Mariana (MG), Copa do Brasil e literatura de cordel. Poços de Caldas O dia de provas em Poços de Caldas foi sem grandes movimentações nas escolas David Campista e Doutor José Vargas de Souza. No David Campista, os primeiros estudantes começaram a entrar nos locais de prova assim que os portões foram abertos, às 12h. Muitos dos estudantes falaram sobre o impacto da pandemia nos estudos. É o caso do João Fernando Martins Posso, de 17 anos, que precisou se adaptar para estudar e aprender sozinho em casa. "Quero fazer direito, estudei muito para isso, mesmo sendo a primeira vez que eu faço o Enem, estou confiante que não vou precisar fazer de novo". Estudante de 17 anos faz a prova do Enem pela primeira vez em Poços de Caldas (MG) Beatriz Mendes Além de estudo, o Enem 2021 foi lugar para fazer amizades em Poços de Caldas. Duas candidatas que se conheceram no 1º dia de provas combinaram de se reencontrar neste domingo (28). "Eu estava na fila. Ela estava na frente e eu atrás, a moça perguntou qual a sala dela, eu vi que era a mesma que a minha e gritei que eu também estava na sala 20. Assim ficamos amigas logo de cara. Foi algo muito bom, conseguimos compartilhar uma com a outra os sentimentos de medo, ansiedade, angústia. E hoje estamos aqui de novo", afirmou Julia Beatriz. Candidatos se conhecem durante o Enem e fazem amizade em Poços de Caldas (MG) Beatriz Mendes Depois do fim da prova, os estudantes comentaram sobre suas impressões sobre o exame. A Thais Caroline da Silva disse que achou a prova menos cansativa do que a do primeiro dia. Uma das últimas estudantes a deixar a prova, Clara Parisi Innarelli fez o Enem pela 2ª vez e contou que achou a prova deste ano mais difícil do que a outra. Pouso Alegre Faculdades de Pouso Alegre fazem cadastro dos estudantes na entrada da Escola Municipal Doutor Ângelo Cônsoli Leidy Palma O dia de prova também foi tranquilo em Pouso Alegre (MG). Muitos estudantes contaram que se assustaram com o tema da redação do domingo passado e também afirmaram que a prova estava mais difícil neste ano. Antes dos portões se fecharem, os últimos estudantes entraram calmamente. Após a prova, muitos ficaram do lado de fora da Faculdade de Direito para relaxar e conversar sobre as impressões deste último dia de Enem. O Guilherme Fonseca disse que acredita ter tido um bom desempenho nas questões fechadas, mas continua preocupado com o resultado da redação. Já a Mayara Anacleto contou que resolver fazer o Enem para concorrer a uma bolsa de estudos pelo ProUni. Ao contrário de maioria dos estudantes, ela está confiante com relação à redação, mas ficou decepcionada com o segundo dia de provas. “Havia várias questões sobre uma determinada matéria, faltou variedade nas questões propostas, o que pode prejudicar no desempenho do aluno que não tem conhecimento suficiente sobre aquele tema”. Estudante de Pouso Alegre afirma que ficou decepcionada com a prova do Enem deste domingo Leidy Palma Varginha Em Varginha (MG), a movimentação dos estudantes na Escola Estadual Afonso Pena só começou depois que os portões abriram às 12h. Alguns pais aguardaram junto com os filhos o início da prova, assim como a Juliana Pimenta. Ela foi com a filha Maria Eduarda até a Fadiva para desejar boa sorte. A jovem tem o sonho de ser médica e a mãe contou que está torcendo pela filha, apesar da dificuldade da pandemia. Faculdade de Direito de Varginha é um dos locais onde estudantes fizeram a prova do Enem na cidade Bruna Mangiapelo/g1 Os portões se fecharam no horário previsto e não houve tumulto. Um vendedor de água contou que o movimento da semana passada foi melhor do que o deste domingo. Após a prova, os pais retornaram para buscar os filhos. A Valdineia da Silva veio de Carmo da Cachoeira para buscar a filha de 18 anos. “Essa é a terceira vez que ela faz o Enem. Ela me disse que pela primeira vez fez uma redação boa, o que nos animou”, contou. Mãe aguarda a filha de 18 anos finalizar a prova do Enem em Varginha (MG) Bruna Mangiapelo/g1 Quem fez a prova, falou sobre a expectativa para o resultado do exame. “Me preparei com cursinho online durante todo o ano. Na semana passada, achei o tema da redação tranquilo, só não haviam muitos dados nos textos de apoio. Mas hoje, apesar das dificuldades esperadas, achei bem tranquilo”, conta Ingrid de Paula Silva, de 25 anos. VÍDEOS: Veja tudo sobre o Sul de Minas Veja mais notícias da região no g1 Sul de Minas

Prefeito de Pouso Alegre é condenado por peculato em processo por desvio de medicamentos no Samuel Libânio


Rafael Simões foi condenado a 10 anos de prisão. Além de Simões, Silvia Regina Pereira da Silva e Renata Lúcia Guimarães Risso também foram condenadas. A Justiça Federal condenou o prefeito de Pouso Alegre (MG), Rafael Simões, a 10 anos de prisão pelo crime de peculato em um processo por desvio de medicamentos do Hospital Samuel Libânio. A decisão foi do juiz federal substituto Marcelo Garcia Vieira, da 2ª Vara Cível e Criminal da Justiça Federal de Pouso Alegre. O prefeito se tornou réu no processo que investigava possíveis desvios de medicamentos e materiais hospitalares do Hospital das Clínicas Samuel Libânio em outubro de 2018. A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal tinha como base compras feitas pelo prefeito diretamente na farmácia do hospital. A denúncia foi aceita pela Justiça Federal no dia 10 de agosto de 2018. Além de Simões, Silvia Regina Pereira da Silva, que na época era diretora executiva da Fundação de Ensino Superior do Vale do Sapucaí (Fuvs) e é a atual secretária de Saúde de Pouso Alegre, e Renata Lúcia Guimarães Risso, que era coordenadora da Fuvs quando as compras foram feitas, também eram rés no processo. Elas também foram condenadas pelo crime de peculato. O crime de peculato é caracterizado pela subtração ou desvio de dinheiros ou bens públicos, e por inserção de dados falsos em sistemas de informação. Todos os condenados poderão recorrer em liberdade. Rafael Simões é condenado por peculato em processo por desvio de medicamentos no Samuel Libânio Claudemir Camilo/EPTV Condenações Rafael Simões foi condenado a 10 anos de reclusão. A pena deverá será ser cumprida em regime fechado. Além disso, o juiz fixou uma pena 50 dias-multa no valor de R$ 1561,50. Silvia Regina Pereira da Silva recebeu a mesma pena que Rafael Simões. Ela foi condenada a 10 anos de reclusão em regime fechado e deverá pagar uma pena 50 dias-multa no valor de R$ 1561,50. Já a ré Renata Lúcia Guimarães Risso foi condenada a quatro anos de reclusão em regime aberto. Entretanto, a pena dela foi substituída por prestação de serviços à comunidade. A pena será de 1.460 horas de prestação de serviços a uma instituição da cidade. Além disso, ela deverá pagar multa de R$ 1.561,50. O juiz também fixou o valor de R$ 11.827,21 como a diferença do valor de desfalque aos cofres da FUVs. Este é o valor mínimo para a reparação do dano patrimonial infligido ao SUS, ou seja, os condenados deverão devolver este valor para a fundação. A decisão da Justiça cabe recurso. Por meio de nota, o prefeito Rafael Simões se pronunciou sobre a decisão da Justiça. "No início da noite de ontem, tomei conhecimento da decisão proferida pelo Juiz Federal Substituto da 2ª Vara Federal de Pouso Alegre no processo que apura a regularidade da compra de R$2.851,41 de materiais do Hospital Samuel Libânio. Entendo que a decisão foi equivocada, destoando inclusive do que foi decidido, sobre os mesmos fatos, pela Juíza Titular da 1ª Vara Federal em outro processo, no qual fui absolvido, há menos de quatro meses. Por isso, encarreguei meus advogados de providenciar o devido recurso. Confiante no trabalho deles e seguro de que, ao final, será feita a justiça, posso continuar focado no trabalho à frente da Prefeitura de Pouso Alegre, onde ainda há muito a realizar!" O g1 tenta contato com a defesa dos outros acusados. Absolvido por improbidade administrativa Em agosto deste ano, o prefeito Rafael Simões, Silvia Regina Pereira da Silva e Renata Lúcia Guimarães Risso foram absolvidos da acusação de improbidade administrativa. A decisão foi da juiza federal Tânia Zucchi de Moraes, da 1ª Vara Cível e Criminal da Justiça Federal de Pouso Alegre. A ação pedia o bloqueio de bens de Rafael Simões e Silvia Regina. Na época, o prefeito Rafael Simões disse que não cometeu nenhum ato ilícito e que só iria se manifestar no processo. Sílvia Regina também afirmou que não cometeu irregularidades. Renata Lúcia não foi localizada para comentar o caso. Sindicância da Fuvs apontou supostas irregularidades Claudemir Camilo/EPTV Sindicância Uma sindicância interna foi realizada para apurar possíveis desvios de medicamentos e materiais hospitalares da farmácia do Hospital Samuel Libânio, no período em que Rafael Simões (DEM) foi presidente da fundação. A sindicância apurou que, a pedido do prefeito, a diretora executiva da fundação e atual secretária de Saúde, Silvia Regina Pereira da Silva, determinava aos funcionários da farmácia a retirada de medicamentos e materiais sem prescrição médica. Nas audiências, os funcionários ouvidos relataram que esses materiais eram entregues a Rafael Simões. VÍDEOS: Veja tudo sobre o Sul de Minas Veja mais notícias da região no g1 Sul de Minas

2º dia de cobertura do Enem no Sul de Minas

Confira todas as informações da prova deste domingo (28). 2º dia de cobertura do Enem no Sul de Minas Confira todas as informações da prova deste domingo (28).

Quitação de dívidas, reformas e reserva emergencial estão entre as intenções de uso para o 13º em Juiz de Fora; veja dicas de economistas


Primeira parcela do recurso deve ser paga até o dia 30 de novembro. Pagamento do 13º salário deve injetar mais de R$ 210 bilhões na economia; imagem de arquivo Reprodução Os trabalhadores com carteira assinada devem receber o adiantamento da 1ª parcela do 13º salário até o dia 30 de novembro. Já a 2ª parcela precisa ser depositada na conta dos trabalhadores até o dia 20 de dezembro. Há ainda a possibilidade de o 13º ser pago em apenas uma única parcela. Neste caso, o pagamento deve ser feito até o dia 30 deste mês. O g1 conversou com algumas pessoas de Juiz de Fora para saber como pretendem gastar o recurso e economistas que deram orientações sobre o uso do valor. LEIA TAMBÉM: 13º salário: Tire dúvidas e saiba quando deve receber o benefício 13º salário deve injetar R$ 233 bilhões na economia brasileira, diz Dieese 13º salário Juiz-forana irá usar 13º para realizar reformas em casa Patrícia Cimino/Aquivo Pessoal A gerente de controladoria Patrícia Cimino, de 45 anos, pretende usar o 13º para uma reforma em casa. Segundo ela, com a pandemia de Covid-19, o desejo de melhorar o espaço em casa, principalmente o do home office, aumentou. Para realizar a reforma, Patrícia informou que realizou um planejamento. "É muito importante este planejamento para não se comprometer com mais do que se imagina. Assim como outros objetivos que envolvem dinheiro, como uma viagem ou até mesmo a liquidação de alguma dívida que está parcelada, acredito ser necessário um mínimo de planejamento para a gente conseguir aproveitar bem o recurso", analisou. De acordo com Patrícia, além da reforma, ela tentará guardar parte do recurso para eventuais emergências ou despesas extras. "A cada ano as prioridades acabam mudando conforme as necessidades da época, mas, sempre que posso, reservo um pouco para eventuais emergências e/ou aquelas despesas fixas que possuímos no início do ano, como o IPTU, IPVA, contribuições para os conselhos profissionais, para evitar que fiquem sobrecarregando as despesas mensais do ano seguinte. Tem sido uma boa estratégia", concluiu. Já o jovem Yuri Kruschswky, de 22 anos, usará o 13º para quitar parcelas do cartão de crédito. Ele trabalha em uma farmácia da cidade para poder pagar a faculdade que cursa no período da noite. Ao g1, ele afirmou que não conseguirá guardar parte do recurso para reservas emergenciais. "O 13º está contado para quitar as dívidas dos meus cartões de crédito, uma grande parte pelo menos porque acredito que não vou conseguir pagar tudo. Com a pandemia, por certo tempo eu estava ganhando bem, mas de repente o lucro foi diminuindo e me vi diante do aperto, com faturas altíssimas para pagar, além de dar conta de pagar a faculdade, financiamento da minha moto e ajudar em casa. Por isso, passei a optar por parcelamentos e assim a bola de neve foi gerada e agora eu quero e preciso eliminar essas pendências. Uma pena porque preciso comprar várias coisas e nunca consigo, mas no momento é o que preciso fazer", explicou o trabalhador. O administrador Leandro Gil da Silva, de 47 anos, informou que usará o 13º salário como reserva para o próximo ano. "Sempre guardo para despesas como IPVA, escola, material escolar e um pouco para o lazer. É muito útil para estas despesas fixas da virada do ano", comentou. Economistas dão dicas Bruno Dore Rodrigues, economista, Phd em Finanças e coordenador do curso de Administração da Estácio. Centro Universitário Estácio Juiz de Fora/Divulgação A reportagem também conversou com dois economistas para saber qual a melhor forma de usar o 13º salário. Segundo o economista, Phd em Finanças e professor Bruno Dore Rodrigues, é preciso ter cautela na hora de gastar e se planejar para gastos futuros. "Com o período de inflação e juros altos, toda dívida que você fizer, mais as que você já tem, vão aumentando. Uma das melhores formar de usar o 13º no momento atual é quitar as dívidas, seja crédito consignado, cartão de crédito ou cheque especial", afirmou. Bruno alertou ainda para as compras do fim de ano. O professor de administração ressaltou que os preços estão cada vez mais altos e, por isso, comparar os valores é a melhor opção para não cair em armadilhas. "Uma das armadilhas são as parcelas que cabem no bolso porque às vezes o preço é alto, mas as lojas dividem em parcelas pequenas e é aí que tem que ter cautela para que a gente não gaste errado e a compra não prejudique as contas do próximo ano, que ainda será difícil para a economia", completou. Para que não tem dívidas, mas também não tem reservas para o pagamento das despesas que se concentram no início do ano, como Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), matrícula e material escolar, entre outros, o doutor em economia e também professor, Fernando Agra, informou que o ideal é utilizar o dinheiro do 13º para pagar essas despesas integralmente e aproveitar os descontos concedidos. "Se não for possível quitar tudo, aconselho a pagar, pelo menos parte (preferencialmente a maior parte)", afirmou Fernando. Economista de Juiz de Fora dá dicas de como usar o 13º salário Fernando Agra/Arquivo Pessoal Já para quem não tem dívidas e tem reservas para pagar as despesas de início de ano, vale separar parte do dinheiro para poupar de modo a acumular patrimônio financeiro. A outra parte o trabalhador pode utilizar para consumir, sobretudo para atender algum desejo que não pôde ser contemplado ao longo do ano. Essa é a melhor das situações, pois sinaliza que quem se enquadra na mesma é uma pessoa organizada e administra muito bem as finanças pessoais, explicou o economista Fernando Agra. "Se você, caro leitor, ainda não se encontra na melhor das três situações supracitadas e organize-se ao longo do próximo ano (ou melhor, a partir de agora), aprenda a viver com apenas 12 salários anuais, separe todos os meses uma parte da sua renda (e aplique numa LCI ou num CDB pós-fixado) para pagar as despesas do início do ano à vista e com desconto e tenha o 13º salário como um prêmio para se presentear no final do ano", concluiu. VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes

Homem capota o carro e foge na Zona Oeste de BH


Vítima de aparentemente 50 anos capotou o carro próximo a um cruzamento na rua Joaquim Nabuco e fugiu logo em seguida. Acidente aconteceu por volta das 16h Reprodução/Corpo de Bombeiros Um homem de aparentemente 50 anos provocou um acidente e fugiu logo em seguida na tarde deste domingo (28). Segundo o Corpo de Bombeiros, ele capotou com o carro próximo a um cruzamento da rua Joaquim Nabuco, no Nova Suíssa, Zona Oeste de BH. O socorro foi acionado por volta das 16h22. Quando chegaram, os bombeiros viram o carro de cabeça para baixo e sem ninguém dentro. Testemunhas disseram aos militares que a vítima saiu do carro sem lesão aparente e fugiu antes da chegada dos Bombeiros. Ainda não há informações sobre a identificação do homem ou do carro. No local, os bombeiros aplicaram serragem na rua por causa do vazamento de óleo. Também auxiliaram o guincho para a remoção do veículo. Vídeos mais vistos g1 MG

Acusado do assassinato de duas crianças em Viçosa do Ceará é condenado a 50 anos de prisão


Julgamento ocorreu quatro anos após crime que chocou a cidade. As duas crianças foram mortas a golpes de facas Reprodução/TV Verdes Mares Um homem acusado de ter assassinado duas crianças de 8 e 10 anos foi condenado pelo Tribunal do Júri, nesta quarta-feira (20), a 50 anos de prisão pelo crime. O duplo homicídio foi cometido a facadas, na cidade de Viçosa do Ceará, em julho de 2017, por Iranildo Antônio de Araújo. Ele já cumpria pena na Penitenciária Industrial e Regional de Sobral (Pirs). O julgamento começou às 8h30 desta quarta-feira e só foi finalizado em torno de 19h, com a leitura da sentença pela juíza Josilene de Carvalho Sousa. Iranildo foi condenado a 25 anos de prisão por cada um dos homicídios. O júri considerou que ele cometeu extrema violência e crueldade no crime. A juíza negou que o agora condenado impusesse recurso em liberdade, com medidas alternativas à prisão, por isso manteve a prisão preventiva, decretada quando da sua prisão. Ele também é suspeito de ter matado o comparsa Francisco Rogério Soares Pereira, dentro da prisão. Rogério era investigado, assim como Iranildo, pelo duplo homicídio das crianças. Durante o interrogatório, o homem afirmou que é inocente e não quis falar sobre a morte do comparsa. A defesa afirmou que não havia provas técnicas para garantir a punibilidade dele. Caso Pai de crianças assassinadas em Viçosa do Ceará lamenta violência As duas crianças, uma de 8 e outra de 10 anos, foram mortas a golpes de faca em Viçosa do Ceará, no interior do estado, no dia 16 de julho de 2017. Elas foram encontradas em um beco próximo à casa onde moravam, no distrito de Inharim, zona rural de Viçosa do Ceará. A polícia capturou os dois homens e um adolescente, suspeitos de terem matado os irmãos. Um dos homens teria confessado o crime, de acordo com a Polícia Civil, e afirmou que estava sob efeito de drogas e não lembrava do que tinha acontecido. Um dos acusados chegou a sofrer ameaça de linchamento pela população de Viçosa do Ceará, enquanto era transferido do Fórum Municipal para outra unidade. Durante a condução, quando o homem foi colocado no interior do carro policial, houve tumulto, e a polícia disparou tiros de bala de borracha para conter a população, que tentou se aproximar do homem preso. Assista às notícias do Ceará no g1 em 1 Minuto:

Justiça determina o afastamento de Sydnei Pereira da Prefeitura de Anajatuba


Na decisão, o juiz afirma que há 'risco sério e concreto' do prefeito incinerar documentos públicos que comprovem atos de corrupção. O caso já foi destaque no Bom Dia Brasil. Sydnei Pereira, prefeito de Anajatuba Reprodução/TV Mirante A Justiça determinou o afastamento do atual prefeito Sydnei Pereira (PCdoB) em Anajatuba, a 137 km de São Luís. Ele é suspeito em diversos processos por desvios de dinheiro público que são alvos de investigações federais. Na decisão, o juiz Bruno Chaves de Oliveira afirma que há evidências de simulação, favorecimento e até mesmo a falta de formalidade legal em contratos da prefeitura. O juiz cita ainda um relatório da Controladoria Geral da União (CGU) que aponta superfaturamento de itens que estavam em contratos, mas não foram entregues para a prefeitura. O relatório indica também: Pesquisa de preços fictícia Falta de notas fiscais Abastecimento de veículos que não estavam autorizados a prestarem serviço na área da saúde Combustível com preços superiores aos de mercado Aquisição de combustível sem comprovar a sua destinação Contratação de empresas fornecedoras sem a necessária qualificação técnica Alteração da quantidade de veículos de transporte de pacientes (24 veículos supostamente foram utilizados para o transporte de pacientes para São Luís/MA, porém os pacientes só eram transportados em uma Van) Ausência de indicação da placa dos veículos supostamente abastecidos Motocicletas abastecidas com quantidade de litros acima da capacidade do tanque Notas fiscais sem a placa do veículo abastecido e sem assinatura do condutor Utilização de posto de combustível não contratado para o abastecimento da frota municipal Atestado de capacidade técnica com fortes indícios de conteúdo falso Pagamento indevido a fornecedor por materiais de construção não comprovadamente entregues ou efetivamente utilizados em ações de saúde Contratação de empresas sem capacidade operacional Contratos simulados de locação de veículos Despesas de manutenção dos veículos por conta de seus proprietários Ausência de identificação do beneficiário final das despesas Em outro momento, o magistrado explica a principal motivação para o afastamento do atual prefeito. Segundo Bruno Chaves, há 'risco sério e concreto' de que Sydnei Pereira e sua gestão ainda possam, nesses últimos dias do seu mandato, destruir o que ainda restou nos arquivos públicos do município, como documentos dos procedimentos licitatórios e contratações que fazem parte das investigações contra ele. Em 2018, o Ministério Público do Maranhão já havia pedido o afastamento do prefeito de Anajatuba. Na época, o promotor Carlos Augusto Soares afirmou: “Há um número muito grande de notícias de irregularidades sendo investigados. O que se observa é que o gestor está utilizando de artifícios para impedir a elucidação desses casos e o afastamento dele é necessário”, declarou Carlos Augusto Soares, Promotor de Justiça de Anajatuba. Investigações federais sobre supostos desvios de dinheiro público em Anajatuba são destaque no Bom Dia Brasil Sidney Pereira e Helder Aragão Em 2015, Sidney Pereira denunciou por corrupção o então prefeito do qual ele era vice, Helder Aragão. O prefeito foi afastado e ele assumiu a Prefeitura. Sydnei foi reeleito em 2016 e passou a enfrentar denúncias até da Câmara Municipal, onde um vereador do mesmo partido chegou a entrar com oito representações em órgãos de fiscalização. O caso foi destaque no Bom Dia Brasil. “O que mais me deixa triste é que o gestor atual anda fazendo as mesmas coisas que o outro estava fazendo", contou Lauro Sousa, vereador do PCdoB. Nas eleições de 2020, Helder Aragão venceu e vai assumir a prefeitura a partir de janeiro de 2021. Mesmo sendo do mesmo partido, o vereador Lauro Sousa já entrou com oito representações contra o prefeito de Anajatuba Reprodução/TV Mirante Investigações Constam nas investigações, o fechamento de escolas por falta de dinheiro e milhões de reais gastos em licitações suspeitas. No campo da educação, a Prefeitura de Anajatuba cortou o transporte escolar em alguns povoados por causa da situação das estradas. Condições de estradas em Anajatuba fizeram a Prefeitura cortar o transporte escolas em povoados Reprodução/TV Mirante A atual gestão também chegou a fechar 21 escolas, de acordo com o Sindicato dos Professores. Antes haviam 55 escolas na cidade. Em 2018, a prefeitura justificou o fechamento pela falta de recurso para manter os professores. Buraco em parede ao lado do quadro negro em escola de Anajatuba Reprodução/TV Mirante Malharia ‘ Maria dos Milagres’ Os contratos com uma malharia de São Luís também são alvo de investigação. Entre 2016 e 2017, a malharia Maria dos Milagres Sousa Moreira Aquinho vendeu R$ 410 mil à Prefeitura de Anajatuba em artigos esportivos e brinquedos. Só em 2017 foram R$ 321 mil pagos à malharia, segundo o Tribunal de Contas do Estado. No ano passado foram pagos R$ 321mil à malharia 'Maria dos Milagres', segundo o TCE, em artigos esportivos e brinquedos.. Reprodução/TV Mirante Entre os itens vendidos estão bolas, chuteiras, redes de vôlei, 30 pares de rede oficial de campo de futebol. Mas o principal campo da cidade não tinha trave e estava coberto pelo mato. Nos povoados do interior as pessoas disseram que nunca viram artigos de esporte. Em nota, a malharia 'Maria dos Milagres' disse que participou da licitação com seriedade e responsabilidade e que está à disposição da Justiça para prestar qualquer esclarecimento. Brunopel Outros pagamentos que chamaram a atenção foram os recebidos pela autopeças Brunopel, que recebeu R$ 455 mil com vendas de peças para carros de Anajatuba em 2016. Em 2017, a autopeças também recebeu R$ 8,4 milhões do município de Anajatuba em peças e locação de veículos. Na cidade, órgãos públicos como o Conselho Tutelar reclamavam que não tinham carro pra trabalhar. "A gente solicita às vezes o apoio da polícia quando é emergência e quando não a gente está esperando a solução para continuar com o nosso trabalho", contou Telmo Lopes, coordenador-geral do Conselho Tutelar da cidade de Anajatuba. Autopeças Brunopel recebeu R$ 8,4 milhões de Anajatuba em peças e locação de veículos, segundo o TCE Reprodução/TV Mirante Entre os sócios da Brunopel está uma mulher descrita como Rosalina Pereira Silva, que é ex-mulher de um doador de campanha de Sydnei Pereira chamado Cosme Pereira de Souza, que doou R$ 2.500 na campanha. Ela foi procurada pela reportagem, mas não se conseguiu contato. Cosme também é tio da então secretária de administração do município, Pollyana Lisboa. Ela negou ligações da família dela com o prefeito. “Não temos nenhuma ligação com o Prefeito, a não ser a empresa que concorreu, ganhou e nem faz parte mais da Prefeitura", disse a secretária de administração de Anajatuba, Pollyana Lisboa. Cosme Pereira também era dono de um carro de luxo avaliado em mais de 120 mil reais, que o prefeito da cidade usava no dia-a-dia. O prefeito diz que o carro que ele usava era alugado e Cosme Pereira não foi encontrado. "Ele tinha o contrato de locação de veículo. Então ele me alugou esse carro para o gabinete. Aí quando ele perdeu o contrato, a empresa que ganhou o contrato comprou o carro dele e permaneceu o aluguel. Ele continua sendo alugado o carro", respondeu o prefeito Sydnei Pereira. Apesar do que consta no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Sydnei Pereira negou que Cosme tenha sido doador de campanha e diz que contratou a sobrinha de Cosme como secretária por causa da competência dela. "Essa menina eu conheci ela na empresa dele com relação ao processo que eles tinham com a gente de fornecimento e ela se mostrou, à epoca, muito eficiente", afirmou o Prefeito. Consulta no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indica que um homem chamado Cosme Pereira foi doador de campanha de Sydnei Pereira Reprodução/TV Mirante O prefeito diz ainda que não pagou os oito milhões à autopeças em 2017, apesar dos valores constarem na prestação de contas do município, junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) como pagos. "Não tem nem como uma prefeitura no porte de Anajatuba pagar nem a metade disso aí", afirmou o prefeito. Procurador Jairo Cavalcanti explicou que é considerado pagamento quando um documento chega ao TCE e há comprovação de transferência bancária, como um dos exemplos. Reprodução/TV Mirante Entretanto, o procurador de contas do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Jairo Cavalcanti, explicou como funcionam a comprovação de pagamentos e diz que o valor foi realmente pago. "Quando o documento chega aqui sendo comprovado que houve transferência bancária.... um recibo ou um cheque em favor do credor... nós consideramos que esse valor foi efetivamente pago", asseverou o procurador. Uso do dinheiro público é alvo de investigações federais na Prefeitura de Anajatuba, no Maranhão

Grupo empresarial deve pagar quase R$ 21 milhões por desvio de recursos da Cidade das Águas em Frutal


Empresa foi investigada pelo MPMG em 2016 quando empresários e políticos foram presos. Parte do acordo será destinada à UEMG e restante vai para o Estado; G1 procurou os envolvidos. Parcela de R$ 10,2 milhões será destinada ao custeio de projetos da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), de Frutal Ascom/Unesco-Hidroex Um grupo empresarial português firmou acordo para pagamento de R$ 20,9 milhões em medidas compensatórias apuradas pela Operação “Aequelis”, que investiga o desvio de recursos públicos destinados a Fundação Centro Internacional de Educação, Capacitação e Pesquisa Aplicada em Águas (Hidroex) para a construção do Complexo Cidade das Águas, em Frutal. O acordo foi firmado com o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Controladoria-Geral do Estado (CGE-MG) e a Advocacia-Geral do Estado (AGE). A informação foi divulgada pelo MPMG na última segunda-feira (10). Os valores já foram depositados. O nome do grupo empresarial não foi divulgado na publicação do órgão, que reforçou que não fornece contatos de partes em procedimentos. Na época da operação, desencadeada em 2016, empresários e políticos foram conduzidos pela polícia durante cumprimento de mandados de prisão em cidades no interior de Minas Gerais e São Paulo. Foram encontrados indícios de superfaturamento em vários contratos (relembre mais abaixo). Segundo o MPMG, R$ 4,7 milhões são referentes ao ressarcimento do dano causado ao Estado. Outros R$ 10,2 milhões se referem a danos morais coletivos. No acordo, constam, ainda, R$ 4,7 milhões como pagamento de multa civil, e R$ 1,2 milhão de transferência não onerosa. “Sem abrir a mão da punição àqueles que cometeram os ilícitos, a solução leva benefícios imediatos aos que foram prejudicados pelos crimes. Esse é um ponto em que insistimos desde o início e que continuaremos a reforçar”, disse o procurador-geral de Justiça de Minas Gerais, Antônio Sérgio Tonet. Destinação Uma parcela de R$ 10,2 milhões será destinada ao custeio de projetos da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), de Frutal. Já o restante será destinado aos cofres do Estado. Conforme o Ministério Público, o acordo firmado se refere a uma das ações ajuizadas por improbidade administrativa, e interfere em outras ações penais em curso na Justiça Federal. Réus que ainda não firmaram acordo continuam respondendo o processo. A Fundação Hidroex foi extinta em 2016. Promotoria de Frutal O G1 entrou em contato com o MPMG para saber qual a quantia de dinheiro público desviada e se, além do impacto financeiro, houve impacto ambiental. Sobre isso, a Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Frutal informou, nesta quinta-feira (13), que o valor estimado de dinheiro público desviado segundo a apuração do Ministério Público foi de R$ 4.758.136,00. Sobre os danos gerados ao Estado – citados no acordo – a promotoria afirmou que não têm qualquer aspecto ambiental, sendo exclusivamente no âmbito da tutela do patrimônio público. Valores depositados Foi informado também que os valores do acordo foram depositados em conta judicial nos autos da ação, em trâmite pela 2ª Vara Cível da Comarca de Frutal e serão gastos nos termos de acordo com solicitação específica e autorização judicial. UEMG Ainda segundo a promotoria, em relação ao montante destinado à UEMG Frutal, relativos aos danos morais coletivos, foi designada pela 3ª Promotoria de Justiça de Frutal uma reunião na próxima segunda-feira (17) com a Diretoria da unidade e com a Comissão pró-UEMG Frutal. O encontro vai contar com representantes dos estudantes, dos professores, dos servidores e da sociedade civil frutalense para discutir as prioridades a serem atendidas e como ocorrerá a fiscalização por parte do MPMG, que encaminhará também para análise da CGE. Operação "Aequalis" A Operação "Aequalis" foi deflagrada em maio de 2016. No dia 20 de setembro do mesmo ano, o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, sancionou a lei que extinguiu a Fundação Hidroex, investigada pelo MPMG por suspeita de envolvimento e desvio de verbas públicas. A operação encontrou indícios de superfaturamento em vários contratos, dentre eles o de venda de equipamentos. O ex-secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Minas Gerais, entre 2012 e 2014, Nárcio Rodrigues (PSDB), e outras 14 pessoas foram acusadas de organização criminosa, fraude em licitação, obtenção de vantagem indevida, lavagem de dinheiro, peculato e obstrução. Cidade das Águas foi projeto para ser um centro internacional de pesquisa Ascom/Unesco-Hidroex A Hidroex desenvolvia em Frutal o Complexo Cidade das Águas, que começou a ser construído em 2012 e teria mais de 1 milhão de m². O local foi projetado para se tornar um centro internacional de pesquisa, com foco na conservação do patrimônio hidrológico da América Latina e das nações africanas de língua portuguesa. Com a extinção da Hidroex, a Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG) assumiu as responsabilidades e obrigações da fundação quanto aos programas, projetos, contratos e convênios celebrados. O mesmo ocorreu com os bens imóveis, que foram revertidos ao patrimônio do Estado, cabendo à Secretaria de Fazenda (SEF) proceder a destinação. Irregularidades na Hidroex Uma auditoria da Controladoria-Geral de Minas Gerais apontou, em abril de 2016, suposto dano aos cofres públicos devido a irregularidades na obra do Complexo Cidade das Águas durante o governo de Antonio Anastasia (PSDB). A auditoria da controladoria aponta que houve prejuízo de cerca de R$ 9,8 milhões aos cofres públicos.

Carlinhos Maia apresenta show de humor 'Mas, Carlos!' pela primeira vez no AP


Espetáculo será no dia 30 de setembro, no Teatro das Bacabeiras. Apresentação aposta na interação com o público para garantir risadas. Comediante Carlinhos Maia se apresentará pela primeira vez em Macapá no dia 2 de setembro Divulgação O alagoano Carlinhos Maia é um dos fenômenos das redes sociais, somando quase 10 milhões de seguidores no Instagram e Facebook. Conhecido pelos vídeos bem humorados, o artista estará no Amapá pela primeira vez no dia 30 de setembro, às 20h, no Teatro das Bacabeiras, no Centro de Macapá. O show havia sido marcado para o dia 2 de setembro, mas, por problemas de saúde da mãe dele, o artista anunciou o adiamento da apresentação através das próprias redes sociais. A organização do evento informou que os ingressos comprados anteriormente serão válidos para a nova data. A devolução do ingresso também está sendo feita. Maia se destacou na internet falando do seu dia a dia e assuntos cotidianos com irreverência, além de mostrar a convivência com os vizinhos na vila onde mora, na cidade de Penedo, em Alagoas. No show "Mas, Carlos!", que será apresentado na capital, o artista relata vários momentos de sua trajetória, até o sucesso com vídeos na web. Ele aposta na interação com o público para garantir risadas. Outro característica do show é que Maia conta, de forma bem humorada, um pouco sobre a vida de "digital influencer", que é uma espécie nova de celebridade. Marlon Santos, produtor do espetáculo, comenta que Maia é, atualmente, um dos maiores fenômenos das redes sociais e que o novo show dele é um dos mais procurados do país. "A motivação para trazer o Carlinhos [Maia] para Macapá é bem simples, ele está bombando nas redes sociais e todo mundo no país quer conhecer mais sobre ele, o que é justamente o que será apresentado no espetáculo", falou. Para garantir os ingressos antecipados, que custam de R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia). Serviço Espetáculo 'Mas, Carlos!' Data: 30 de setembro (domingo) Local: Teatro das Bacabeiras Hora: 20h Ingressos: R$ 80 (inteira) e R$ 40 (meia) Informações: (96) 98138-0887 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Michele Maycoth interpreta sucessos de Maria Gadú em noite romântica no AP


'Linda Rosa', 'João de Barro' e 'Shimbalaiê' fazem parte do repertório. Evento será realizado no dia 1º de setembro num espaço cultural na Zona Central de Macapá. Apresentação está marcada para o dia 1º de setembro, em um espaço cultural em Macapá Michele Maycoth/Arquivo Pessoal Interpretando sucessos de Maria Gadú, uma das relevações da MPB, a cantora amapaense Michele Maycoth prepara um show que promete embalar os apaixonados. A apresentação está marcada para o dia 1º de setembro, a partir das 20h, em um espaço cultural na Zona Central de Macapá. Com uma apresentação predominantemente acústica e intimista, a cantora espera estar mais próxima do público, principalmente para cantar junto com ela sucessos como "Linda Rosa", "João de Barro", "A História de Lilly Braun" e "Shimbalaiê". De acordo com a produção do show, Michele tocará durante mais de uma hora e também haverão participações especiais, entre elas, Alexandre Moraes, Erick Pureza e Nitai Silva. Os ingressos podem ser adquiridos em dois postos de vendas na Zona Central da capital e com a produção do show ao preço inicial de R$ 10. Sucessos como 'Linda Rosa', 'João de Barro' e 'Shimbalaiê' não vão ficar de fora do show Divulgação Serviço Michele Maycoth canta Maria Gadú Data: 1º de setembro (sábado) Hora: 20h Local: Quintal Walô 54 (Avenida José Antônio Siqueira, 1212, bairro Jesus de Nazaré) Ingressos: R$ 10 (1º lote) Postos de vendas: Norte Rock (Villa Nova Shopping); Quintal Walô 54 Informações e compra de ingressos: (96) 98142-0743 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Exposição 'Minha Aldeia' reúne fotografias inspiradas no cotidiano amapaense


Mostra reúne 27 imagens do fotógrafo Floriano Lima. Vernissage acontece no dia 24 de agosto no Sesc Centro, em Macapá. Visitações seguem até 20 de setembro. Mostra 'Minha Aldeia' busca evidenciar as belezas escondidas na simplicidade da vida no Amapá Floriano Lima/Divulgação Com fotos de paisagens, cartões-postais e até mesmo de trabalhadores à beira do Rio Amazonas, o fotógrafo Floriano Lima reúne 27 imagens que retratam o cotidiano amapaense na exposição "Minha Aldeia". A mostra ficará aberta ao público de 27 de agosto a 20 de setembro, na unidade Centro do Serviço Social do Comércio (Sesc), em Macapá. O fotógrafo define não existir um tema específico na exposição, condição que deu a ele liberdade para retratar desde as fotos mais "clichês", até imagens comuns do dia a dia. "Sempre gostei de fotografar nossos cartões postais porque eles são muito bonitos e únicos. Então, por mais 'batidas' que pareçam, eles fazem parte da proposta da exposição", adiantou. Dormir na rede, trabalhar com embarcações ou até mesmo o céu no fim de tarde são inspirações para o fotógrafo, que diz buscar evidenciar as belezas escondidas na simplicidade. Todas as imagens foram feitas entre 2016 até este ano. Elas compõem fases da profissão de Floriano Lima, de 56 anos, que iniciou a fazer "clicks" aos 17. "Essas fotos são recentes e fazem parte da minha carreira profissional. Apesar de fotografar desde a adolescência, quando ganhei minha primeira câmera fotográfica, trabalho profissionalmente na área há cerca de 5 anos", contou. A vernissage da exposição acontece no dia 24 de agosto, às 19h público poderá prestigiar a mostra de segunda a sexta-feira, no horário das 9h às 11h e das 15 às 17h. Serviço Exposição fotográfica "Minha Aldeia" Data: vernissage 24 de agosto; visitações de 27 de agosto a 20 de setembro Hora: abertura 19h; visitações das 9h às 11h e das 15h às 17h Local: Sesc Centro Entrada: gratuita Fotógrafo reuniu 27 imagens para a mostra que acontece até o dia 20 de setembro Floriano Lima/Divulgação Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Peça teatral amapaense vai narrar acontecimentos 19 anos depois do último livro de Harry Potter


Espetáculo está marcado para os dias 16 e 17 de agosto, no Teatro das Bacabeiras. Adaptação amapaense vai regionalizar história original que é inglesa. Peça teatral 'Harry Potter e o Herdeiro Amaldiçoado' será nos dias 16 e 17 de agosto, em Macapá Google Inspirada na peça londrina que contou os acontecimentos 19 anos depois de "Harry Potter e as Relíquias da Morte", um grupo amapaense de teatro propõe uma adaptação do espetáculo que virou sucesso no Reino Unido e bateu recorde de bilheteria na Broadway. A apresentação acontece nos dias 16 e 17 de agosto, às 20h, no Teatro das Bacabeiras, no Centro de Macapá. Intitulado "Harry Potter e o Herdeiro Amaldiçoado: A Oitava História Dezenove Anos Depois", a peça do grupo "O Beco Teatral e o Projeto Literar Amapá" segue a estrutura do espetáculo londrino, com os protagonistas da saga mais velhos e focando a aventura nos filhos do feiticeiro. De acordo com um dos diretores da peça, Iury Laudrup, o trabalho foi regionalizado. "Nosso trabalho é adaptar, uma vez que a peça original tem mais de 5 horas de duração. Então, encurtamos a história e regionalizamos o roteiro para que nossa peça tenha sua própria identidade", ressaltou. O espetáculo amapaense conta com oito personagens no elenco principal e 12 pessoas na produção e terá uma hora e meia de duração. Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos antecipadamente em três postos de vendas na Zona Central da capital, ao preço de R$ 15 + um quilo de alimento não perecível. História A montagem teatral continua a história de Harry Potter de onde o sétimo e último volume da saga de J.K. Rowling parou, com um enredo envolvendo um Harry adulto e o seu filho do meio, Alvo Severo. Ele também é pai de Tiago Sirius, o mais velho, e de Lília Luna, a caçula. Agora, Potter é um funcionário sobrecarregado de trabalho no Ministério da Magia, com três crianças em idade escolar. Ele "lida com um passado que se recusa a ficar no lugar ao qual pertence", diz um texto sobre a peça. Enquanto isso, Alvo, assim chamado em homenagem ao antigo diretor de Hogwarts e mentor de Harry, Alvo Dumbledore, se esforça para lidar com o peso do legado da família. Serviço "Harry Potter e o Herdeiro Amaldiçoado: A Oitava História Dezenove Anos Depois" Datas: 16 e 17 de agosto Local: Teatro das Bacabeiras (Rua Cândido Mendes, 1087 – Centro) Ingressos: R$15 + um quilo de alimento não perecível Postos de Venda: Livraria Acadêmica (Macapá Shopping - Piso L2); Amapanime Space (Avenida Vereador Orlando Pinto, Nº: 640F - Santa Rita); Parada do Cachorro Quente (Rua Odilardo Silva, Nº: 2289 - Centro) Informações: (96) 98128-4949 / (21) 96979-6812 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Levantamento do G1 mostra variação de preço nas opções de transporte em Divinópolis; confira


Valores dos meios disponíveis na cidade variam de R$ 4,05 a R$ 15. Preço do transporte coletivo varia de acordo com forma de pagamento e para comunidades rurais TV Integração/Reprodução Quem mora em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas, e precisa se locomover conta, atualmente, com três empresas de aplicativos, ônibus, taxis e mototaxis à disposição. Mas, destas, qual a mais barata? O G1 fez um levantamento com todos os tipos de transporte disponíveis na cidade. Com base em uma viagem de dois quilômetros, o usuário gasta entre R$ 4,05, caso opte por ir de ônibus, a R$ 15 caso faça o trajeto em um táxi ou em dos aplicativo disponíveis na cidade. Ônibus Segundo a Prefeitura, o meio de transporte mais utilizado no município é o transporte público, que tem cerca de 80 mil usuários por dia. O valor das passagens, no entanto, varia. Atualmente, o transporte público municipal custa R$ 4,05 para pagamento em dinheiro e R$ 3,60 para pagamento via cartão de vale-transporte. Segundo a Prefeitura, a frota é de 153 ônibus na cidade. Destes, 144 fazem viagens diárias e outros nove funcionam como veículos reservas. Para as comunidades rurais, o preço varia de acordo com a distância da comunidade ao centro da cidade. Veja na tabela os preços: Preços de ônibus para comunidades rurais em Divinópolis Táxis e Mototáxis Segundo a Associação dos Taxistas de Divinópolis, o número de motoristas não acompanha o tamanho da população. Atualmente, existem 90 taxistas no município espalhados em pontos estratégicos da cidade como no Centro, rodoviária e próximo à supermercados. A associação, no entanto, afirma que os pontos são insuficientes e bairros mais afastados também deveriam ter a presença dos veículos. Atualmente, uma corrida do Centro até o bairro Niterói, com cerca de dois quilômetros de distância, custa, em média, R$ 15 dependendo da bandeira. Valor médio do táxi em Divinópolis para corrida de 2 km é de R$ 15 Reprodução/TV Integração Deste valor, R$ 4,50 são impostos que devem ser repassados ao município – o valor é, também, o valor inicial registrado no taxímetro, segundo a associação. O serviço de mototáxi foi regulamentado em agosto do ano passado e atualmente, segundo a Prefeitura, cerca de 60 mototaxistas atuam nas quatro empresas regularizadas no município. O preço das corridas, no entanto, é calculado pelos próprios motoristas e não é tabelado. Usando como parâmetro a distância levantada com o táxi, três mototaxistas da cidade afirmaram valores distintos para a corrida: o primeiro disse ao G1 que cobraria R$ 5. O segundo, R$ 7 e o terceiro cobraria R$ 10 pela corrida. Segundo a Prefeitura, a diferença é considerada normal porque os gastos do mototaxista varia de acordo com o tipo de moto conduzida por ele e, diferentemente dos táxis, o serviço não possui um valor mínimo estipulado. Mototáxi também apresenta variação no preço Reprodução/Tv Integração Aplicativos A cidade conta, ainda, com três opções de transporte por aplicativo: Uber, Go Car e Uper 7. Para usar o serviço, o usuário deve instalar os respectivos aplicativos em seu smartphone. Segundo um dos proprietários do Go Car, Bruno Alvim, a tarifa do serviço é cerca de 25% menor do que a cobrada pelos táxis. Atualmente, a empresa conta com cerca de 20 veículos pela cidade. No trajeto entre o Centro e o Bairro Niterói, por exemplo, a corrida ficaria em R$ 7. A Uper 7, empresa fundada em 2009, afirmou contar com cerca de 30 veículos cadastrados na cidade. Destes, a tarifa básica dos taxistas é mantida e cobra-se entre R$ 2,17 e R$ 2,50 por quilômetro, dependendo do tipo de veículo solicitado. O valor estimado pelo aplicativo no trajeto escolhido pelo G1 apontou o mesmo preço do táxi. A Uber, por sua vez, informou, por meio da assessoria, que divulga somente dados estaduais. Segundo a empresa, em Minas Gerais atualmente existem 35 mil motoristas atuando pelo aplicativo. Um motorista que faz corridas pelo aplicativo da Uber em Divinópolis, e que pediu para não ser identificado, revelou ao G1 que existe um grupo de mensagens instantâneas com os motoristas da empresa na cidade e que, atualmente, existem cerca de 60 pessoas. No trajeto calculado pela reportagem, a corrida ficaria em R$ 6,75. Contudo, o motorista alerta que o preço varia conforme o horário e a demanda dos usuários. Com relação ao transporte particular, Divinópolis conta atualmente com cerca de 125 mil veículos - uma média de dois habitantes por veículo.

Show de humor em Macapá leva histórias de ribeirinhos da Amazônia para o teatro


Dupla Epaminondas Gustavo e Adilson Alcântara apresentam ‘Agora é que são Eles’, na sexta-feira (3), no Teatro das Bacabeiras. Lançamento de livros também marcam visita dos humoristas ao AP. Epaminondas Gustavo (com a bandeira) e Adilson Alcântara no show 'Agora é que são Eles’ Divulgação Histórias engraçadas de ribeirinhos que vivem no interior do Pará inspiraram o repertório de “Agora é que são Eles”, novo show de humor da dupla paraense Epaminondas Gustavo e Adilson Alcântara. A apresentação do espetáculo acontece na sexta-feira (3), no Teatro das Bacabeiras, em Macapá. Com o sotaque típico da região, o personagem Epaminondas Gustavo, interpretado pelo ator Cláudio Rendeiro, conta aventuras, reclamações, desavenças, conselhos e fatos de comunidades que vivem às margens de rios. A apresentação teatral é acompanhada por canções de Alcântara. Além de ator, Rendeiro é juiz do Tribunal de Justiça do Pará. Ele caracterizou o protagonista do show de humor como um morador de São Caetano de Odivelas, cidade natal do magistrado, com linguajar “caboco” e cheio de expressões. Alcântara é um artista paraense com 25 anos de carreira como cantor, compositor, humorista e produtor cultural. Ele é o responsável por equilibrar o humor com a paródia, que também faz parte da vida dos ribeirinhos, e conta as piadas com ritmo e acompanhado por um violão. A dupla fez uma apresentação em Macapá em maio, lotou o teatro e quer repetir a experiência na capital. Espetáculo leva histórias hilárias da região ribeirinha do Pará Divulgação Livros e palestra Um dia antes da apresentação no Teatro das Bacabeiras, os humoristas vão fazer o lançamento dos livros “Sátira de um Ribeirinho”, que traz crônicas e histórias no olhar de Cláudio Rendeiro, e “Lírica Ribeirinhas e Outras Margens”, com o lado poético do artista. O lançamento dos livros é gratuito acontece após uma palestra-show voltada para alunos do curso de direito, no auditório do Sebrae em Macapá. Serviços Palestra-show para estudantes de direito Data: 2 de agosto (quinta-feira) Hora: 19h Local: Auditório do Sebrae (Av. Ernestino Borges, 740 - Laguinho) Entrada: R$ 20 Lançamento dos livros Data: 2 de agosto (quinta-feira) Hora: 20h30 Local: Auditório do Sebrae Entrada: franca Show de humor 'Agora é que são Eles' Data: 3 de agosto (sexta-feira) Hora: 20h Local: Teatro das Bacabeiras Ingresso: R$ 30 Informações: (96) 98139-9346 Tem alguma notícia para compartilhar? Envie para o Tô Na Rede!

Sem dinheiro, venezuelanos acampam às margens de rodovia na fronteira do Brasil: 'aqui pelo menos temos comida'


Cidade de Pacaraima, em Roraima, tem abrigo público, mas ele é só para índios venezuelanos. Sem ter para onde ir, famílias inteiras estão vivendo às margens da BR-174, que liga os dois países. Angélia Aguilera, 18, e o filho de 2 anos ao lado da barraca em que estão vivendo há cerca de 1 mês; 'Na rua é muito frio' Inaê Brandão/G1 RR Venezuelanos estão vivendo em acampamentos improvisados em Pacaraima, no Norte de Roraima, na fronteira do Brasil. Um deles fica às margens da BR-174, rodovia que liga o país a Venezuela, e tem pelo menos 30 famílias. Conforme a prefeitura, a cidade tem uma média de 1,5 mil imigrantes em situação de rua - o equivalente a 22% da população local, que é de cerca de 15 mil habitantes. O município possui um abrigo público, mas ele é exclusivo para imigrantes indígenas. Procurada, a Força Tarefa Logística Humanitária, criada pelo Governo Federal para lidar com a imigração, informou que está em implantação um novo abrigo para não-índios na fronteira. Chamado de BV8, ele terá capacidade para 500 pessoas. No acampamento às margens da rodovia, famílias inteiras estão morando em barracas de camping e estruturas improvisadas com lonas, madeiras e até papelões. As estruturas são cobertas por plástico para proteger da chuva, comum neste período do ano. Na madrugada, a temperatura chega aos 16º C. A jovem Angélia Aguilera, de 18 anos, está no Brasil há um mês. Ela, o marido e o filho Elieser, de um ano, vivem nas ruas de Pacaraima desde então. "Aqui na rua é muito frio. Nunca imaginei que ia passar por isso", lamentou Angélia. A família saiu de Maturin, a 785 Km de Pacaraima, e conta a mesma história que outros milhares de venezuelanos que buscam refúgio no Brasil. "Vim porque na Venezuela não tem trabalho, comida e remédio. Não tem nada", disse Angélia, acrescentando que no país a família se alimentava apenas de mandioca e sardinha. O esposo trabalhava em uma empresa multinacional, mas o salário - corroído pela inflação diária de 2,8% - perdeu o poder de compra. Por isso, ele largou o trabalho há dois meses e a família resolveu tentar a vida no Brasil, onde busca trabalho. "A vida aqui está um pouco difícil porque não conseguimos dinheiro. Meu marido vende café na rua e não dá para quase nada. Mas dá para comer, sobreviver. Pelo menos temos comida", disse. O objetivo da família é chegar até Manaus. Luiz Sereño, 20, colocou bandeiras do Brasil na barraca improvisada: 'é uma homenagem ao país que me acolheu' Inaê Brandão/G1 RR O jovem Luiz Sereño, de 20 anos, também se mudou para o Brasil fugindo da crise econômica e política da Venezuela. Na barraca improvisada onde mora, o jovem colocou duas bandeiras do Brasil e disse que elas são uma homenagem ao país que o acolheu. "A bandeira representa a união. O Brasil nos recebeu como irmãos e sou grato", afirmou. Em Pacaraima, Luiz trabalha lavando carros. O dinheiro que consegue manda para a filha de três anos que ficou na terra natal. "A Venezuela tem muitos recursos naturais, mas já estamos cansados de passar fome. Tenho uma filha e chorava quando via ela comendo só manga". Na rua, os imigrantes cozinham em latas de tintas e, muitas vezes, dependem de doações de moradores para se alimentar. Sem lugar para se higienizar, aqueles que não possuem entre R$ 1 e R$ 4 para pagar um estabelecimento comercial para usarem o banheiro ficam sem banho e precisam fazer as necessidades em uma região de mata, na outra margem da rodovia. Imigrantes fazem comida em fogões improvisados Inaê Brandão/G1 RR Crise migratória Nos primeiros seis meses deste ano, mais de 16 mil venezuelanos pediram refúgio em Roraima, segundo a Polícia Federal. O número já é 20% maior do que o registrado em todo o ano de 2017, quando foram recebidas pouco mais de 13,5 mil solicitações. Nos últimos 18 meses, 128 mil venezuelanos que entraram no Brasil pela fronteira de Pacaraima (RR), mas destes, 31,5 mil, voltaram para a Venezuela pelo mesmo caminho, e os outros 37,4 mil saíram do país de avião ou por outras fronteiras terrestres. O Exército Brasileiro calcula que a média de entrada de venezuelanos em Roraima nos últimos cinco meses foi de 416 pessoas ao dia. Ainda não há números precisos sobre a quantidade exata de venezuelanos vivendo em Roraima, mas um levantamento da prefeitura de Boa Vista apontou que, só na capital, há 25 mil moradores venezuelanos – o equivalente a 7,5% da população local, que é de 332 mil habitantes. Desses, pelos menos 65% estão desempregados. Atualmente o estado conta com dez abrigos públicos, totalizando cerca de 4,6 mil pessoas, seis deles abertos só neste ano. Mesmo assim, ainda há venezuelanos em situação de rua em 10 dos 15 municípios do estado. Além disso, 820 imigrantes já foram levados em voos da Força Aérea Brasileira (FAB) para São Paulo, Manaus, Cuiabá, Brasília, Rio de Janeiro, Igarassu (PE) e Conde (PB) no chamado processo de interiorização, que consiste em distribuir venezuelanos recém-chegados a Roraima para outros estados do país. Acampamento foi montado às margens da BR-174 Inaê Brandão/G1 RR Initial plugin text

Desenvolvido por Maikonlyne